Arquivo para maio 2008

FECHADA PARA BALANÇO

5 de maio de 2008

Tenho escrito pouco;

Me escutado pouco

Quem sabe lido muito, ouvido muito.

Estou fechada para balanço, mas sem coragem de olhar para dentro. Ocupo o corpo tentando esvaziar a mente. Se parar, terei que ouvir.

Faltando-me as palavras, encontro-me nas linhas alheias. Abaixo, trechos de “Desamador”, de Carpinejar, do livro O Amor Esquece de Começar.

 

“(…) Tenho, sim, piedade daqueles que empregam o amor como forma de tirania.

Que falam em vão do amor como se fosse fácil encontrá-lo.

Que não exercitam a delicadeza, a retribuição e o cuidado atento, e gritam com quem quer apenas sussurrar. Armam-se de autoritarismo, de vassalagem, de discórdia. Não aceitam o contraponto, a discordância. Para assegurar o domínio, rebaixam seu par para que ele fique dependente, menor, indefeso (não forte, confiante ou otimista, como deveria ocorrer e acarretaria independência).

(…)

Que acreditam que o parceiro ou parceira não tem escolha e que ficará se sujeitando aos seus terrores e dissabores.

         Da figura do desamado, o que sofre solitário, surge o desamador, o que desagrega a solidão e faz sofrer. Porque ele recebe o amor e troça de sua força. Seduz por diversão e hábito, pouco se importando com o envolvimento que se segue.

         O desamador dirá depois de usar o amor: “Não prometi nada.” Lavará as luvas para não comprometer as mãos. Omitirá compulsivamente, que é mais repulsivo do que mentir.

         O desamador não tem nada a perder, pois não ama.

         O desamador chamará qualquer cobrança de neurose, de doença, de loucura. Fará a pessoa se sentir torta, infeliz, incriminada de rancor. Depois ainda contará para os seus amigos e amigas que está sendo perseguido, e apagará o que não combina com a sua versão.

         O desamador não fica doente; adoece o mundo.

O desamador não é facultado ao ódio, quem dera! O ódio ainda facilita o amor.

O desamador recorre à intolerância. Chora somente no sufoco, pede desculpas no momento em que é desmascarado, mas não muda, continuará maltratando com a indiferença. Ele não é bom, muito menos ruim; é apático. Seu autoritarismo é a negação da fraqueza. Tudo que acontece de errado em sua vida vai transferir para quem está ao seu lado.

O desamador emprega a crueldade da reticência, do subentendido; não assume as suas escolhas. Induz sua companhia a entender, sem dizer nada.

O desamador gera culpa, dúvidas, incertezas. Não declara sim ou não. Delicia-se com a confusão.

(…)

Custo a crer que o desamador nasceu do ventre de uma mulher.”

 

 
 

 

 

 

Anúncios